FN.M.01.201909 - logotipo candidatura_Fundo COR

Da democracia a autocracia

Não existe, atualmente, na Federação Nacional de Karate Portugal (FNK-P) a possibilidade de se apresentar listas candidatas aos órgãos federativos sem ser considerado como um alvo a abater, pois a instituição parece ser apenas de um grupo de pessoas. O maior exemplo disso é um presidente que é eleito na maior votação de sempre; é destituído e vai a eleições novamente e perde sem nunca ter entrado um único dia na sede para trabalhar. De 16 de Outubro de 2021 a 23 de Janeiro de 2022 passaram 99 dias. Durante este período o então presidente Nuno Dias, nunca entrou na sede para exercer as funções, para as quais foi escolhido pelos sócios. O mais estranho de tudo é que muitos karatecas consideraram isto como normal…

Como não se consegue resolver isto internamente, será a justiça e as autoridades competentes a fazê-lo. Quando uma das grandes associações do país, que tem a capacidade para mudar as coisas e ignora as provas que foram apresentadas sobre diversas ilegalidades cometidas, em troca de eventuais promessas (alguém que prove o contrário), assim se vê o “estado da nação”. Como o grande lema da nossa campanha política foi apregoar à transparência, colocámos as coisas nas mãos da justiça. O que for decidido pelos parâmetros legais será por nós aceite.

Como tal, e como foi informado e para constar da ata da assembleia geral extraordinária de 23 de janeiro de 2022, foi requerido que fosse introduzido novo ponto na ordem de trabalhos, colocando-se à apreciação dos presentes o seguinte: Ponto Único – “Análise, discussão e deliberação sobre a desnecessidade de realização da assembleia eleitoral convocada”.

Considerando que: Os mandatos dos órgãos continuam válidos, existindo Presidente, Direção e Conselho Fiscal porque os órgãos existentes foram destituídos ilicitamente, já que a Assembleia Geral Extraordinária de dia 19 de dezembro de 2021 não foi expressamente convocada para a destituição dos órgãos de Presidente, Direção e Conselho Fiscal, não constando da ordem de trabalhos qualquer menção a essa deliberação; A votação nessa Assembleia foi efetuada por “braço no ar” pela maioria dos presentes, ao contrário do disposto no n.º 3 do art.º 39.º do Regime jurídico das Federações Desportivas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 248-B/2008, de 31 de dezembro; Foram contabilizados os votos de dois delegados (Nuno Paiva e Carlos Gomes), que já não se encontravam presentes em sala no momento da deliberação; A ata dessa Assembleia Geral (19 de Dezembro de 2021) ainda não foi elaborada e tornada pública, pelo que não se deveria tomar uma deliberação sobre outra que ainda não está integralmente consignada e validada; Já foi intentada a competente ação judicial no Tribunal para impugnar a destituição dos órgãos, que corre termos sob o n.º 1029/22.3T8LSB no Tribunal de Lisboa, pelo que mais cedo ou mais tarde, essas a serão reconhecidas, com a consequente anulação de todos os atos praticados posteriormente.

Existem também neste momento duas queixas-crime que foram apresentadas no DIAP de Lisboa que correm sob o número dos respetivos processos. E em breve as pessoas vão ser chamadas para serem ouvidas. Desistir não é solução. Por isso, seguimos juntos e firmes nas nossas convicções. Estamos unidos pelo Progresso do Karate em Portugal. Não agradamos a todos e não somos uma equipa perfeita. Somos no entanto fiéis ao nosso projeto e não substituímos pessoas por interesses de alguém. Cá continuaremos a lutar pelos direitos de quem se candidatou agora e de quem se pretende candidatar no futuro. Acreditamos que todos são inocentes até que se prove o contrário. No entanto, também consideramos que após a apresentação das provas e caso a justiça assim o venha comprovar, todos os que agiram com conhecimento serão considerados coniventes.

“Amanhã” será mais um dia de luta e cá estaremos para fazer prevalecer a democracia.

Equipa,

unida pelo progresso.

#fnkp #portugal #karate

Dossiê Eleitoral

O nosso projeto para a FNK-P – Estratégia/ Inovação/Fortalecer operações

Este é um pequeno resumo da análise SWOT e do que pretendemos implementar na Federação Nacional de Karate Portugal (FNK-P).

Depois de vários meses de estudo e análise, o nosso manifesto é o reflexo de termos ouvido os mais diversos agentes desportivos que compõem o universo do Karate nacional. Assumimos por isso, a missão de colocar a Federação no caminho do crescimento e do desenvolvimento, que todos desejamos. Aumentar o prestígio desportivo e resgatar a credibilidade do Karate como uma arte marcial efetiva e eficaz, são os dois grandes polos onde queremos intervir. Fazer fluir o trabalho administrativo e otimizar a resposta às necessidades dos sócios, é outro ponto por nós identificado. Com as prioridades definidas, criámos diferentes equipas de trabalho, compostas por especialistas em cada área de intervenção, que irão trabalhar para ir ao encontro de metas comuns.

O planeamento estratégico bem-definido irá articular todos os objetivos a curto, médio e longo prazo, para alcançarmos os resultados desejados. Estes são alguns dos fatores internos que iremos trabalhar. Porém, temos noção que o Karate deve fazer muito mais pela comunidade. Com o apoio às diferentes regiões do país, queremos desenvolver e levar a modalidade a todos. Existem muitas oportunidades externas que podem ajudar a desenvolver e fazer crescer o número de praticantes nos clubes, pois são estes, em conjunto com as associações que alimentam a Federação. A adoção de tecnologia de ponta fará com que consigamos chegar a todos de forma célere, prática e eficaz.

Estamos a trabalhar há muito tempo e depois de analisar o passado, começamos a planear o presente. Identificamos oportunidades e projetamos cenários, que ambicionamos que se transformem em realidade.

AX Social Stream: There is no feed data to display!